genese-allan-kardec

22 de fevereiro de 2018
por Cristina Sarraf
0 comentários

No seu livro A Gênese, de Kardec, adulterado, não existem estes textos. Então aproveite…

genese-allan-kardec

Capítulo XVIII – item 20

Nesse grande movimento regenerador, o Espiritismo tem um papel considerável, não o Espiritismo ridículo, inventado por uma crítica zombeteira, mas o Espiritismo filosófico, tal como o compreende qualquer um que se dê ao trabalho de procurar a amêndoa sob sua casca.

Pelas provas que fornece das verdades fundamentais, ele preenche o vazio que a incredulidade criou nas ideias e nas crenças; pela certeza que dá de um futuro conforme a justiça de Deus e que a razão, a mais severa, pode admitir, ameniza as amarguras da vida e previne os funestos efeitos do desespero.

Fazendo conhecer novas leis da natureza, ele dá a chave de fenômenos incompreendidos e de problemas insolúveis até nossos dias, e destrói a incredulidade e a superstição. Para ele, não há nem sobrenatural nem maravilhoso, tudo acontece no mundo, em virtude de leis imutáveis.

Longe de substituir um exclusivismo por outro, o Espiritismo coloca-se como campeão absoluto da liberdade de consciência; combate o fanatismo sob todas as formas, e o corta pela raiz, anunciando a salvação para todos os homens de bem, assim como a possibilidade, para os mais imperfeitos, de chegar, por seus esforços, pela expiação e reparação, à perfeição, que leva à suprema felicidade. Em lugar de desencorajar o fraco, encoraja-o mostrando-lhe a porta que ele pode abrir.

Nunca diz: Fora do Espiritismo não há salvação, mas, com o Cristo: Fora da caridade não há salvação; princípio de tolerância que unirá os homens em um sentimento comum de fraternidade, em vez de separá-los em seitas inimigas.

Por este outro princípio: Não há fé inquebrantável senão a que pode olhar a razão face a face, em todos as épocas da humanidade, ele destrói o império da fé cega que aniquila a razão, a obediência passiva que embrutece; emancipa a inteligência do homem e ergue sua moral.

Consequente com ele próprio, não se impõe; diz o que é, o que quer, o que dá, e atende àquele que vier livremente, voluntariamente; quer ser aceito pela razão e não pela força. Respeita todas as crenças sinceras e só combate a incredulidade, o egoísmo, o orgulho e a hipocrisia, que são as chagas da sociedade e os obstáculos mais sérios ao progresso moral; mas ele não condena ninguém, nem mesmo seus inimigos, porque está convencido de que o caminho do bem está aberto aos mais imperfeitos, que cedo ou tarde, por ele entrarão.

 

Capítulo XVIII – item 24

Dizendo que a humanidade está madura para a regeneração, isto não significa que todos os indivíduos estejam no mesmo grau, mas muitos tem, por intuição, o germe das novas ideias que as circunstâncias farão eclodir; então, estes se mostrarão mais avançados do que se supunha, e seguirão com solicitude o impulso da maioria.

Entretanto, existem aqueles que são refratários por natureza, mesmo entre os mais inteligentes, e que certamente, não se reunirão jamais, pelo menos, nesta existência: uns, de boa fé, por convicção, outros por interesse. São aqueles cujos interesses materiais estão ligados ao estado atual das coisas, e que não estão bastante avançados para renunciar a eles, e aqueles a quem o bem geral preocupa menos que o seu próprio bem, e que não podem ver sem apreensão, o menor movimento reformador. A verdade é, para eles, uma questão secundária, ou melhor dizendo, a verdade para certas pessoas, está inteira naquilo que não lhes causa nenhum transtorno. Todas as ideias progressivas são, a seus olhos, ideias subversivas; é por isso que lhe devotam um ódio implacável e lhes fazem uma guerra encarniçada. Inteligentes o suficiente, para ver no Espiritismo um auxiliar das ideias progressistas e dos elementos de transformação que receiam, e porque não se sentem à sua altura, eles se esforçam por destruí-lo. Se o julgassem sem valor e sem importância, não se preocupariam com ele. Nós já dissemos: “Quanto mais uma ideia é grandiosa, mais encontra adversários, e pode-se medir sua importância pela violência dos ataques dos quais seja objeto”.

nao-basta-querer

22 de fevereiro de 2018
por Wil Oliveira
0 comentários

Quero que este ano seja melhor… Quero fazer isso e aquilo…

nao-basta-querer

No começo de qualquer ciclo, desejamos que seja melhor do que o anterior, porém somente isso não basta. É necessário repensar e refletir: O que eu quero e o que vou fazer para torná-lo melhor? Continue Lendo →

genese-allan-kardec

22 de janeiro de 2018
por Cristina Sarraf
1 Comentário

150 anos de A Gênese, de Allan Kardec e o escândalo inevitável!

genese-allan-kardecAllan Kardec pôs à público A Gênese em janeiro de 1868. Em fevereiro anuncia, na Revista Espírita, uma reedição, sem alteração de conteúdo. Em março, publica que está no prelo mais uma reedição, sem alteração de conteúdo, demonstrando o grande interesse e impácto positivo dessa obra, onze anos após a primeira edição de O Livro dos Espíritos. Continue Lendo →

um-pouco-mais

22 de dezembro de 2017
por Cristina Sarraf
0 comentários

Um pouco por vez, e sempre!

um-pouco-mais

Estive pensando: um dia vivos, noutro já do outro lado da vida; um dia crianças, logo adultos; dor e tristeza hoje, alegrias e paz amanhã; hoje amigos, amanhã esquecidos; certezas hoje, dúvidas amanhã. Noite e dia! Ficam só as experiências. E o amor? Continue Lendo →

educacao

22 de dezembro de 2017
por Wil Oliveira
0 comentários

Uma reflexão sobre educação e autonomia

educacao

A autonomia é uma importante meta da educação.

Ela consiste na capacidade que cada indivíduo possui (quando possui) de tomar decisões próprias, não forçadas, e baseadas nas informações disponíveis. Continue Lendo →

pensando

22 de novembro de 2017
por Cristina Sarraf
1 Comentário

Diálogo elucidador ou É preciso aprender a pensar

pensando

– Penso que precisamos aprender e depois, ensinar a pensar.

– Aprender a pensar? Todo mundo pensa!!!

– Parece. Mas veja: como pensamos? Porquê? De que modo? Quando? O quê? Por quais razões?… Continue Lendo →

3

22 de novembro de 2017
por Ricardo Capuano
1 Comentário

Deus transmissor = universo onda

“Se chegarmos a descobrir uma teoria completa, ela deveria com o tempo vir a ser compreensível em sentido amplo por todos, e não apenas por alguns cientistas. Então todos nós, filósofos, cientistas e pessoas comuns, poderíamos fazer parte da discussão da questão de por que é que nós existimos, assim como o universo. Se encontrássemos a resposta para isso, seria o triunfo definitivo da razão humana – pois então nós conheceríamos a mente de Deus.” – Stephen Hawking

Podemos procurar “entender” Deus e o universo por uma visão da ciência conhecida como física. Segundo essa ciência, tudo no universo seria matéria e onda, uma hora se comportando como uma coisa, outra se comportando do outro modo. Continue Lendo →