3

Deus transmissor = universo onda

| 0 comentários

“Se chegarmos a descobrir uma teoria completa, ela deveria com o tempo vir a ser compreensível em sentido amplo por todos, e não apenas por alguns cientistas. Então todos nós, filósofos, cientistas e pessoas comuns, poderíamos fazer parte da discussão da questão de por que é que nós existimos, assim como o universo. Se encontrássemos a resposta para isso, seria o triunfo definitivo da razão humana – pois então nós conheceríamos a mente de Deus.” – Stephen Hawking

Podemos procurar “entender” Deus e o universo por uma visão da ciência conhecida como física. Segundo essa ciência, tudo no universo seria matéria e onda, uma hora se comportando como uma coisa, outra se comportando do outro modo.

Se considerarmos o nosso simples “rádio do carro”, podemos estar parados, em movimento, aqui ou a 50 quilômetros à frente, se a onda emitida tiver uma frequência alta, vamos dizer de forma leiga, se a onda emitida for “forte”, conseguimos sintonizar a rádio e ouvir os programas e as músicas transmitidas.

Como a emissão da “programação da rádio” é contínua e em todas as direções, basta sintonizarmos o nosso “rádio” para ouvirmos instantaneamente a estação escolhida.

Assim seria, hipoteticamente, a emissão de onda proveniente de Deus. Deus seria um imensurável transmissor que vibra e emite suas vibrações de forma continua, sustentando toda a criação.

2 Como suas emissões são contínuas elas estariam em todas as direções e locais todo o tempo, formando um “tapete” que sustenta e une todos os seres, mesmo que eles não percebam que estão sintonizados nessa “frequência divina”!

Continuando com esse pensamento, imaginemos a “vibração original de Deus” produzindo uma onda criadora e sustentadora, “forte e constante”, atravessando as dimensões da criação e encontrando receptores que muitas vezes absorvem e retransmitem essas ondas.

Extrapolando essa ideia, imaginemos cada ser como um receptor. Mais que um simples “rádio”, ele seria como um “celular”, capaz também de emitir ondas. A princípio ondas fracas e de conteúdo simples e de efeito restrito, mas conforme a sua consciência vai evoluindo, suas ondas mentais, emocionais e mesmo espirituais vão se intensificando. Assim cada ser se transforma em um emissor que interfere no meio em que vive, de forma mais intensa conforme a capacidade intelectual e emocional que possui.

Deste modo poderíamos, “como no rádio”, sintonizar as frequências que melhor nos aprouverem, e intensificar aquelas que nós mesmos produzimos.

3Se usando nossos pensamentos emitimos ondas de amor, essas encontrando ondas de mesma frequência entrariam em sintonia e se fortaleceriam;  e ao encontrar “obstáculos” em seu caminho seriam refletidas em nossa direção, onde encontrariam receptividade, devido à frequência em que estamos sintonizados. Seria do mesmo modo com emoções como raiva, medo, ódio, tristeza e com os sentimentos.

Ainda devemos levar mais uma coisa em consideração. Imaginemos Deus muito, muitíssimo além de um simples “emissor de ondas”. Se nós, simples criaturas, somos receptores e emissores, porque Deus também não seria, embora em outro nível ?

Criemos essa figura de entendimento…

Se Deus é emissor e receptor, poderia agir como um radar de qualidade inimaginável,  emitindo sua onda divina e recebendo, através desse tecido ondular, as impressões do reflexo dessa onda emitida constantemente.

Figuradamente, Deus “estaria” ligado de maneira constante, com todos os seres e poderia receber informações sobre cada um deles, como se estendesse uma imensa teia e fosse capaz de perceber as condições, estado e situação de cada “mosquinha”, cada um de nós…

Obviamente tudo isso são conjecturas, exercícios de pensamento de uma minúscula mosca, presa em uma infinita teia divina.

Deixe uma resposta

Campos requeridos estão marcados *.